Cancelamento da assinatura do Estadão

Acabamos, eu e minha esposa, de solicitar o cancelamento de nossa assinatura do Estadão. Veja o teor da carta:

Como assinantes do Estadão há mais de década, e à luz – ou sob o impacto – do editorial do jornal em apoio à candidatura de José Serra, solicitamos desse jornal, dois obséquios.

O primeiro deles é que me respondam algumas questões – para que fique claro a todos os assinantes do jornal que o apoio à candidatura da oposição ao governo do presidente Lula não seja apenas por interesse financeiros/comerciais. São elas:

1)      A S.A. O Estado de São Paulo (figura jurídica do jornal O Estado de São Paulo) têm atualmente – ou já teve em algum momento – contrato de prestação de serviços, de qualquer natureza, junto ao Governo do Estado de São Paulo?

2)      Quais os valores, as datas de assinatura e os prazos de cada um desses contratos?

3)      Quais tipos de serviços são prestados para cada um desses contratos?

4)      Algum deles foi pela modalidade de dispensa de licitação, qual(is) e, se o caso, por qual motivo?

5)      Quais parâmetros e justificativas são usados para os valores cobrados para cada um desses contratos?

O segundo obséquio é o de cancelarem, imediatamente, minha assinatura, pois não concordo com uma linha sequer das justificativas apresentadas pelo jornal para o apoio a José Serra. Nem, tampouco, posso aceitar que o jornal tenha, ao contrário do que afirma o editorial, se transformado em partido de oposição ao atual governo.

Como veículo de informação, é desejável que se mantenha uma posição neutra, se não no editorial, pelo menos, nas páginas dedicadas à informação dos leitores; isso não vem ocorrendo há algum tempo com o Estadão. Um jornal deve exercer a função exclusiva de informar, deixando para cada leitor o também exclusivo direito de formar sua própria opinião.

De todo modo, também é nesse particular que se expressa o que já há muitos anos muitos cientistas políticos afirmaram: a mídia escrita, como qualquer outro veículo de informação, forma efetivamente opiniões. Não obstante tenha conhecimento disto, a tentativa escancarada de formar opinião é algo intolerável.

Vejamos: no editorial de apoio a Serra o jornal gasta sete linhas para apresentar as ‘qualidades’ de seu candidato, e nove parágrafos para, mais uma vez, atacar o Presidente da República e sua candidata. Com isto, o jornal mostra que não é favorável ao candidato Serra, mas principalmente – e acima de tudo – é contra o governo e o presidente Lula e quer ‘impor’ isso a seus leitores.

A questão é ideológica, não? Então, que coloquemos em termos ideológicos!

Tags:

6 Respostas to “Cancelamento da assinatura do Estadão”

  1. Fabio Palmeirense Says:

    Desculpe Divino, mas em que ponto o jornal mentiu?

    Se vc é a favor do governo Lula tudo bem, está no seu direito, mas eu acompanho política tanto quanto futebol e o jornal não mentiu em uma linha se quer.

    Apesar das benfeitorias, o prejuízo foi e está sendo muito maior que o lucro.
    Esse governo é corrupto e ponto.

    E digo mais, o PT postergando-se no poder iremos entrar numa crise sem precedentes na história do Brasil, pois além de serem muitas, suas bocas são grandes e famintas.

    Saudações palestrinas.

    • Ademir Says:

      E onde foi que eu escrevi que o jornal mentiu? Somente me guardo ao direito de não querer assinar, e pagar com meu dinheiro, um veículo de informação – repito, informação – que quer me manipular, e que – como sempre denunciei – tem posição política e lado, e não é o meu, nem é o do povo! Agora, ler Estadão, Folha, Veja e assitir à Rede Globo, e pautar sua posição política pelo que dizem esse jornais, revista e canais de televisão, inclusive sobre o que dizem do PT, é demais para a minha cabeça. Quanto a mim, prefiro me posicionar politicamente por meus ideais e minha ideologia, e pelas informações que consigo – viva a internet – formar a partir de múltiplas fontes de informação. Além disso, durante os anos de PSDB em São Paulo e de FFHH em Brasília, pelo que vejo, não havia corrupção e não haviam cargos de confiança, tudo isso é invenção do PT, junto com a CUT e, talvez, o MST, né? Por fim, sobre minha posição, ela é de classe: estou com aqueles que melhoram, queiram alguns enxergar ou não, a vida dos mais pobres desse país. Não é o paraiso, mas não dá para negar que houve avanço social nesse país. Saudações Palestrinas!

  2. Pinho - Bauru Says:

    Ademir,
    o Estadão lhe respondeu?

    dá-lhe Dilma!

    verdaços.

    Respondeu, tentaram me fazer reconsiderar oferecendo cortesia de dois meses na assinatura, ou seja, não entenderam nada ou se entenderam – o que acho mais provável, consideram que podem comprar minha consciência, no que se enganaram redondamente. Infelizmente, creio que minha atitude não foi seguida por muitos, mas minha parte eu fiz. Um grande abraço. Dilma lá. Forza Palestra!

  3. Mario Says:

    Sabe Ademir o jornal esta sendo censurado pelo governo federal, e ele tem todo direiro como reprimenda apoiar o Serra e combater o Lula, como vc tem todo direito como petista a cancelar a assinatura do estadão.

    Primeiro vamos a aquilo em que concordamos: eu tenho o direito de cancelar minha assinatura e o jornal tem o direito de apoiar quem quer que seja, desde que o faça nas seções pertinentes (editorial). O fato preocupante é que isso está contaminando as informações e as seções de debates, o que é lamentável, pois quando assinei o Estadão o fiz justamente por ser um jornal que primava pelo contraditório. Em segundo lugar, onde é que você viu que o governo do presidente Lula está censurando o Estadão? A censura que o Estadão vem sofrendo é por pedido do Sarney, e ao acatar o pedido, quem censurou o jornal foi a justiça, não o governo federal. Há no Brasil independência de poderes. Existe o executivo, o legislativo e o judiciário, que de forma independente e sem ingerência entre eles, zelam pelas instituições. Se há a censura, essa foi por um dos três ‘entes’, a justiça, no caso; e ela não é comandada pelo PT e pelo presidente Lula.

  4. Mario Says:

    Realmente o pedido de censura foi feito pelo Sarney,acatado por um desembargador da justiça federal,claro esta que não foi o presidente que exerceu tal censura,mas, se essa censura fosse um ato que viesse a prejudicar o presidente ou algum de seus pares,ela ja teria caido,pois apesar de respeitar tua admiração pelo Pt e pelo Lula,não concordo com a maneira não democratica que eles pregam em relação a qualquer fato que os contrarie,tipo temos que acabar com o DEM (acabar no sentido de extinguir,matar,dar fim)ora num regimo democratico o combate se da com atos e palavras,respeitando o adversário,ai que a roda pega e toda vez que o presidente é malhado pela imprensa (sem discutir o mérito da critica) ele retruca de modo truculento e pouco democratico,essa maneira lembra esse pequenos caudilhos dos paises menores da America do Sul que vivem a fechar e a encampar jornais,radios e tvs,ai que se inicia a ditadura.

    Você, por acaso, sabe de onde veio essa manifestação do Lula em relação ao DEM? Não, pois eu te falo. Há alguns anos atrás, o Borhausen (presidente do DEM á época) disse que precisávamos “extirpar o PT e ‘essa raça’” da política. Não me recordo ninguém se indignando com o fato. Além disso, eu duvido que tenha havido no período mais recente um presidente da república que foi DESRESPEITADO pela mídia e pela oposição da maneira que o Lula foi. Digo, recentemente, pois o mesmo fizeram com Getulio e depois com Jango. Por fim, fosse o Lula um caudilho, ou mesmo antidemocrático, como dizem, teria ele conseguido acabar com todos os veículos de comunicação quem lhe fazem oposição raivosa, para isso bastaria o governo acabar com o patrocínio (seja das ações de governo, da Petrobrás ou da administração indireta) em jornais e revistas. Não precisaria nem censurar, eles estariam morrendo à míngua. Pelo contrário, para o MEU desgosto, o governo Lula (naquilo que eu acho o seu pior erro) continuou com isso. Um presidente, se fosse um caudilho ou um ditador, como querem fazer crer, em oito anos poderia ter feito uma batalha real, não apenas na retórica, e acabado com a oposição. Agora, querer derrotar com a oposição, nas idéias e no embate político, é legítimo, e foi isso o que o Lula quis dizer e fez.

  5. Irina Schneider Says:

    Olá, Ademir, tudo bem?

    Gostei muito da sua carta de cancelamento do jornal O Estado de S. Paulo e compartilho das mesmas ideias e sentimento de indignação com relação a um veículo que sempre tive como referência, mas que hoje não consigo mais abrir para ler, tamanha a falta de credibilidade do que ali é publicado.
    Gostaria de pedir sua autorização para reproduzir o seu texto em meu blog (www.osch.tmblr.com), com os devidos créditos.
    Um abraço!
    Irina

    Claro que pode reproduzir. Um abraço

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: