Posts Tagged ‘Brasileirão 2010’

Ranking do brasileirão (Série A) – pontos corridos

09/12/2010

Resolvi fazer o meu ranking do Brasileirão (Série A) na era dos pontos corridos (2003-2010). Se todos podem por que eu também não?

Os critérios que apliquei para a pontuação são os seguintes:

A) 01 ponto para os participantes.

B) 10 pontos para o campeão; 08 pontos para o vice-campeão; 06 pontos para o 3o. colocado; 04 pontos para o 4o. colocado; e, 02 pontos para o 5o. colocado.

C) 05 pontos extras para os classificados para a Copa Libertadores; e, 03 pontos extras para os classificados para a Copa Sulamericana.

D) Menos 05 pontos para os rebaixados para a segunda divisão.

E) Caso ocorra, e ocorreu, da equipe estar classificada para a Libertadores por ter conseguido a vaga em outro torneio, por exemplo, mas se classificou na zona da Sulamericana no certame nacional, os pontos computados são da Sulamericana (03), pois o ranking é do Campeonato Brasileiro. O inverso também é valido. Daí que se leva isso em consideração para as outras combinações possíveis.

Veja aqui a tabela com a classificação: RANKING DO BRASILEIRÃO

Anúncios

Brasileirão – Pontos corridos

07/12/2010

Pontuação acumulada pelos times da Série A no histórico dos PONTOS CORRIDOS:

1) São Paulo – 568

2) Cruzeiro – 527

3) Internacional – 517

4) Santos –  511

5) Flamengo – 463

6) Atlético/PR – 463

7) Fluminense – 455

8 ) Goiás – 452

9) Corinthians – 431

10) Palmeiras – 428

11) Grêmio – 404

Observações:

A) Do 12o. em diante a pontuação está abaixo da casa dos 400 pontos. Esse foi o critério de corte que utilizei;

B) Dos onze (11) apresentados o terceiro (Internacional); o sexto (Atlético/PR); o oitavo (Goiás); o décimo (Palmeiras); e, o décimo primeiro (Grêmio) ainda não foram campeões desde a instituição do critério dos pontos corridos.

C) Goiás, Corinthians, Grêmio e Palmeiras não disputaram todas as edições, pois disputaram uma edição da série B por conta do rebaixamento. No caso do Palmeiras o rebaixamento se deu no ano anterior à instituição desse critério (pontos corridos), assim, ele não disputou justamente a primeira edição (2003).

O que esses números querem dizer? Não sei, são somente números, mas a uma conclusão pode-se chegar, o argumento utilizado de que os pontos corridos premiam a regularidade, é – via de regra – verdadeiro. Se isso é importante ou não, é outra questão.

Outra constatação é a de que Flamengo e Fluminense, ambas ridicularizadas – diuturnamente – pela imprensa esportiva por não terem estrutura, se mantém entre os dez (10) mais regulares no histórico.

Além disso, os especialistas da imprensa esportiva deveriam, sempre que possível, se debruçar sobre os números, pois vivem dizendo sobre – vejam só – a irregularidade de Flamengo e Fluminense.

Por último, os números estão corretos, porém não sei se haveria outro critério a ser utilizado, pois como podemos observar há campeonatos com 24, 22 e, finalmente, 20 equipes disputando. Isso, com certeza, dá vantagem – por exemplo – às equipes que disputaram o certame em 2003 (nos pontos acumulados), pois tiveram um maior número de pontos em disputa.

Tabela:  Brasileirão

Palmeiras x CAG

27/08/2010

E não é que o Palmeiras conseguiu estragar nossa festa?! E não é que o último clocado do campeonato nos derrota em casa, de forma vexatória, goleando, no dia em que estávamos em festa?!

Então, por enquanto, é melhor eu não escrever o que penso desse ‘time’, e de alguns SAFADOS que vestem o nosso manto. É melhor, senão sobrarão poucos…

Fiquemos com a lembrança de nossa glórias, de um tempo onde fomos grandes, nos comportávamos como grandes, éramos temidos como tal, porque hoje…

Forza Palestra!!!

Impressões sobre o Derby

03/08/2010

Ontem, por conta de uma ‘baleiada’ de meu modem, fiquei o dia todo sem internet, o que somente foi resolvido durante a noite, por volta das 22h00. Por isso, não pude passar as minhas impressões, o que faço agora, sobre o Derby.

Derby é guerra

Só o fato de recebermos o maior clássico do planeta na capital, de onde nunca deveria ter saído, já seria motivo mais que suficiente para o Derby ter recebido um público maior do que recebeu. Porém como a ganância dos organizadores, dos ‘iluminados’ dirigentes e marqueteiros é gigantesca, resolveram cobrar R$ 40,00 por uma arquibancada em um final de mês (ok, início de mês), onde a maioria dos trabalhadores (sim, torcedor trabalha, tem família e vive de salário!) ainda não havia percebido seus míseros proventos, isso fez com que o público não tomasse todas as dependências do próprio da municipalidade. Mas, mesmo assim, 25.139 torcedores se fizeram presentes e viram um jogo que honrou as tradições de um Palmeiras X Corinthians.

Se o jogo não foi um primor técnico – e quem quer saber de técnica em um Derby? – foi cheio de alternativas, lances de perigo para ambos os lados, alguns mais ríspidos (como tem que ser em um Derby) – só não sei como alguém não quebra a perna daquele anão gambá que insiste em ser desleal e ainda por cima vive marcando contra a gente -, erros da arbitragem (sempre contra a gente) e, no final, um 1 x 1 que não foi bom para nenhuma das equipes.

O empate em 1 x 1 acabou por dar visibilidade novamente a uma figura nefasta ao Palmeiras: o péssimo ‘apitador’ (soprador de latinha, o vagabundo, safado, salafrário, sem-vergonha, vendido) Paulo César de Oliveira. E não foi por falta de aviso, pois esse ‘pederasta’ é useiro e vezeiro em nos prejudicar, basta para isso uma breve passagens pelos blogues Palestrinos na semana do clássico para vermos o quanto ele ‘apita’ sempre contra o Palestra. Mas, nossos ‘iluminados’ dirigentes são desportistas, e acham que as coisas somente se resolvem dentro de campo; enquanto isso, seguimos fazendo dossiês e mostrando como somos prejudicados pela arbitragem para, quem sabe um dia, alguém que dirija nossa equipe nos bastidores tome alguma atitude e vete, como fazem os outros, aqueles que nos prejudicam.

A torcida Palestrina foi um espetáculo à parte. Saí em caravana juntamente com a torcida Alviverde da frente do Palestra. Já ali, mostramos que não há estatuto, marqueteiros, dirigentes, promotor e políticos procurando promoção, que nos façam desistir de nossa paixão pelo futebol e pelo Palmeiras. Aproximadamente 10.000 torcedores seguiram juntos entoando seus gritos de guerra (sim, gritos de guerra!) por todo o percurso até o Pacaembu. O que não se deixou de fazer durante todo o jogo e após o seu final. As ofensas, de ambas as partes, que querem criminalizar com esse maldito estatuto, seguiu pelas ruas da capital, mostrando que o espírito do Derby é o de uma verdadeira guerra! Que nem por isso, teve baixas.

Quem fica inventando estatuto(s) para ‘pacificar’ torcedores e transformá-los em consumidores não perde por esperar, pois domingo mostramos que podem tentar nos afastar dos estádios, mas resistimos – e seguiremos resistindo, mesmo que não queiram mais nossa presença nos estádios.

Palmeiras

É nítido que Felipão, mesmo sem ainda contar com os reforços que solicitou, já vai dando uma cara de time a esse elenco. Poderíamos ter vencido, como poderíamos também ter perdido, mas o importante a destacar são dois aspectos: a) mesmo saindo atrás no placar o time não se desesperou como fazia até há pouco tempo; e, b) o time lutou e correu atrás da vitória, sem temer o adversário, até o final do jogo. Quando eu disse que não precisávamos de um técnico, mas sim de Felipão (que é mais que isso), era disso que eu falava. Que venham os reforços que ainda dá para alcançarmos os líderes.

Forza Palestra!

Parabéns Torcida que Canta e Vibra!

Recomeço

15/07/2010

Exatamente 39 dias após a sua última apresentação no campeonato brasileiro (Internacional 1 x 1 Palmeiras) o nosso Verdão reinicia hoje a sua caminhada neste brasileirão.

Recomeço é a palavra de ordem desses novos tempos que parecem se avizinhar pelos lados do nosso Palestra Itália. E olha que tudo parece novo.

O recomeço será em nova casa, já que a nossa está fechada para uma remodelação. O bom e velho Pacaembu, uma de nossas casas nos próximos dois anos, que ao contrário do que dizem não é a casa de nosso maior rival, é – saibam e batam no peito – um verdadeiro templo alviverde, pois lá conquistamos inúmeras vitórias e títulos.

Aliás, esse recomeço se faz assentado em velhas figuras. Figuras que nos enchem de esperanças, pois foi sob o signo Parmalat e Felipão, ambos de volta, que conquistamos nosso último grande triunfo, a Taça Libertadores. Além desse título, depois da era Felipão/ Parmalat, somente o Paulista de 2008, já sob a famigerada parceria com a Traffic.

Aliás, a saída da Traffic, que se não foi anunciada de direito está se dando de fato, pode ser mais um marco desse recomeço. Ontem, de forma que só os traidores fazem, na calada da noite, às vésperas de um clássico, esse nefasto grupo – que somente se serviu do Palmeiras até o momento, retirou de nossas hostes seu último ‘produto’: o meia Cleiton Xavier. Boa sorte ao Cleiton. Vade retro Traffic.

De volta também, e com presença já confirmada para hoje à noite, temos o Gladiador (Kleber). Em breve, pelo que se ouve, teremos de volta nosso Mago (Valdívia). Além, destes, quem sabe mais um avante, um zagueiro, outro meia, talvez um lateral.

Com as já confirmadas presenças de Kleber e Felipão, e quem sabe com a volta do Mago e a vinda de mais alguns reforços, e a saída da Traffic, teremos – como estamos pedindo há tempos – o nosso Palmeiras de volta. Aquele que aprendemos a admirar; o Palmeiras que não se entrega; o Palmeiras que é o time da virada, da raça, do sangue, do espetáculo…

Cabe aqui ressaltar o papel importante que a torcida cumpriu nesses duros tempos de seca. Ao contrário do que alguns dizem, muito ao contrário por sinal, foi somente a pressão da torcida nas arquibancadas e a vigilância de uma rede de Palestrinos na internet, que fez com que a diretoria se mobilizasse e retomasse o caminho de um Palmeiras grande. Um verdadeiro recomeço também para ela, que estava perdida, acomodada e errando demais.

Ao contrário do que muitos afirmam esse ‘novo’ Palmeiras tem a cara que sua torcida quer, a cara de vencedor, o espírito de vencedor. Nada de parceiros e jogadores que somente pensam em si. Hoje, o grande Palmeiras recomeça a trilhar o caminho de sua grandeza.

Hoje, no Pacaembu estaremos lá – faça frio ou calor, chova ou não (apesar de que isso, a chuva, é a única coisa que não muda, pois chove novamente) – para incentivarmos, agora com as esperanças renovadas de que esse recomeço seja o marco de uma nova era de vitórias e conquistas.

Força Palestra!

Copa do Mundo…

07/06/2010

… Pré-temporada

Bem, nesse período de copa do mundo o brasileirão terá uma parada. Com isso, felizmente haverá tempo, caso nossa ‘brilhante’ diretoria trabalhe seriamente, para consertarmos o que está errado com o Palmeiras.

E olha que há muita coisa errada. Aliás, está tudo errado. Não temos técnico, não temos time, não temos diretoria… Nunca antes na história desse blogue a frase ‘ainda bem que é copa do mundo’ foi dita, e espero que nunca mais tenha que dizê-la.

De positivo nesse início de campeonato brasileiro apenas a re-contratação do Gladiador Kléber*. Mas, já avisando os otimistas de plantão, que somente Kleber não adianta. Precisamos de Felipão (outro não serve), do Mago (de volta para onde é sua casa), de um ou dois ‘nove-nove’, da saída de Cipullo e Cia. bela.

Os primeiro jogos, que nos renderam apenas 9 pontos (42,8% de aproveitamento dos pontos disputados) mostram como nossa ‘brilhante’ diretoria trabalha, pois nosso ‘eficiente’ ataque é superior apenas aos de Vasco e Atlético/GO, penúltimo e último colocados respectivamente. Ontem, último jogo antes da parada a coisa ficou evidente. Rifamos a bola o tempo todo e nos defendemos, feito time pequeno, feito à Lusa das Perdizes, time que a atual diretoria quer incessantemente nos transformar.

Durante esse período será aquele suplício: informação de manhã, desmentido à tarde, descarte à noite. Sendo assim, o blogue, para não alimentar nenhuma falsa expectativa e não iludir a torcida (isso deixamos para a diretoria) será atualizado apenas uma vez por semana, e nem sempre com informações ou opiniões relacionadas ao Palmeiras (pode ser um OFF sobre copa do mundo, por exemplo). Apenas quando tivermos informações que mereçam crédito, ou a confirmação de alguma contratação, é que trataremos do Palmeiras.

Dessa forma, entramos em um período de hibernação, aguardando que ao retorno da copa tenhamos um time (diretoria, jogadores e técnico) que façam jus à grandeza do nosso amado Palmeiras.

Sempre que houver alguma atualização informou via twitter.

Um abraço, até o dia 12 de julho, ou quando tivermos algo de interessante para informá-los.

Estamos em pré-temporada.

________________

* Se esperavam um elogio à diretoria por ter recontratado Kléber não o verão por aqui. Se o recontrataram é porque um dia, de forma equivocada, influenciados pela ‘parceira’, o negociaram. Estão é consertando um erro, isso não merece elogio algum, é obrigação. Além disso, não fosse a pressão da torcida não haveria Kléber, especulação por Felipão, Valdívia, etc.

Pobre Palmeiras, pobre torcedor Palmeirense

27/05/2010

Não fosse o fato de estarmos há anos – o que se chama de tabu – sem vencer naquele privadão na A Lôca, não fosse o fato daquele time covarde não ter vencido clássico algum há sete meses, nada me faria crer que o Verdão ontem venceria o “clássico” no Morumbi na boate A Lôca. Nada! Mas, eu acreditei. Fui enganado novamente. Mas, é que sou um crédulo, pois os fatos – todos eles – apontavam para mais uma derrota de nosso time. Vejamos.

Como esperar uma vitória de um time que insiste – e insiste, vale ressaltar – em perder pênaltis. Me parece que são apenas dois certos nos últimos nove cobrados?

Como esperar a vitória de uma equipe que tem um único armador no elenco – sim, único, pois Lincoln é meia/atacante – e ele vive se machucando, e quando isso acontece temos que ver o técnico – aquele que disse gostar de futebol ofensivo – colocar em seu lugar um volante que tem no passe errado a sua maior virtude? Quando entra um armador no time, para substituir o que se machucou, ele atende pelo nome de Ivo. Convenhamos que é muito pouco para crer em uma vitória mesmo contra o Grêmio Barueri.

Como esperar a vitória de uma equipe que não conta no elenco com nenhum centroavante de ofício? Conta sim, pois lá está o Paulo Henrique. O problema é que como ele nunca é utilizado parece que não contamos com esse ‘homem gol’. Se é para não usar porque veio?

Como esperar a vitória de uma equipe que por falta de planejamento lança mão de um garoto das categorias de base, que não tem nem dezessete anos ainda, como esperança de gols, esses que andam tão raros – exceção do último sábado – para o nosso lado ultimamente? Não que eu seja contra aproveitar garotos da base, pelo contrário, mas é que em momentos como o que vivemos – de seca de gols, de ruindade, de elenco fraco – não dou o direito da comissão técnica e da diretoria de ‘jogar o garoto às feras’ e queimar quem possa vir a ser um bom jogador no futuro. Eles não têm esse direito.

Como esperar a vitória de uma equipe que não tem um técnico em seu banco de reservas. Sim, não tem, pois com todo respeito ao Parraga, que pode ter lá suas qualidades, não é o Palmeiras uma “Santa Casa da Misericórdia”, onde interinos se firmarão, mesmo que aos cinqüenta e nove anos de idade, como treinadores que nunca foram. Não é o Palmeiras uma “instituição de caridade” onde treinadores estagiários ganharão experiência para se firmarem no ‘profissional’ mundo do futebol.

Como esperar a vitória de uma equipe que não tem uma diretoria. Aliás, equipe que tem um amontoado de diretores que mostram sua incompetência diuturnamente, que não se entendem e não entendem a grandeza da instituição que dirigem. Apenas pensam em galgar postos mais altos na hierarquia Palestrina. O problema é que daqui a pouco estes mesmo apequenaram tanto essa instituição que nem mesmo eles vão querer dirigir a “Lusa das Perdizes” em que vem transformando o Palmeiras.

Enfim, apenas nós – os torcedores – de novo presentes ontem, como sempre fazemos, naquele ambiente inóspito, de novo sob chuva, para acreditar em uma vitória. Creio até que muitos dos que lá estavam também não acreditavam na vitória, estavam lá por uma missão, aquele de que já tratei aqui, uma missão que foi nos passada por nossos antepassados, a missão de continuar a mística – que essa diretoria vem jogando na lata do lixo – do time dos “italianinhos”.

Por falar nisso, somente mais dois comentários.

O primeiro é o desencontro de informações vindos dessa diretoria. Cipullo descarta, Del Grande confirma, Beluzzo se cala. Felipão não vem; pode vir; quem é Felipão? Kléber não virá; vem; Kléber?

O segundo é sobre a bomba que explodiu no meio da torcida do Palmeiras e que nossa diretoria de ‘gentlemen’ disse não ser culpa ‘dos donos da casa’. Só para refrescar a memória de nossa dileta diretoria, desses signori que nos dirigem, vale lembrar que a pouco tempo atrás, no famoso caso do gás, ameaçaram nosso estádio de interdição, a polícia interveio, a imprensa nos condenou antecipadamente, os Leonores nos humilharam. Agora, nossos excelentes dirigentes, deixarão passar mais esse ato de hostilidade vindo do inimigo.

Estão ou não se rebaixando – e nos rebaixando? Mas, só para lembrar de novo, lá no interior, os italianos – não tão excelentes como os daqui, mas mais talhados em reconhecer quem lhes humilha, pois foram forjados nas lavouras de cafés, humilhados por esses mesmos que nos humilham aqui: os barões do café – sempre disseram, e educaram os seus (eu um deles), que quem muito se abaixa mostra os fundilhos!

Pobre Palmeiras!

Pobre torcedor Palmeirense!

Queremos jogador!

Queremos técnico!

Queremos uma diretoria que honre nossas tradições!

Vai ser sofrido

10/05/2010

No sábado, na estréia do Palmeiras em mais um campeonato brasileiro – longo, chato… – tivemos uma pequena mostra do que será esse campeonato para a nossa torcida.

Zago

Como eu já disse temos alguns bons jogadores, outros razoáveis, mas no frigir dos ovos não somos nada diferentes das outras equipes nesse nacional. O problema é que ninguém consegue fazer essa gente jogar bola. Somos comandados por um arremedo de técnico que, além disso, vais aos poucos mostrando o seu modo de agir, e se continuar assim não será estranho que esse grupo de jogadores frite nosso ‘coach’. Funciona assim: se existe algo que qualquer grupo de jogadores, mesmo quando está rachado, não suporta são traíras; se esse for o técnico então, segura. Sábado Robert perdeu gol feito, logo após perdeu pênalti – o quinto do time em três dias – a torcida, eu incluso, não perdoou o jogador, tome vaia, xingamentos etc. O que fez o gênio que comanda nossa equipe? Ao invés de proteger seu jogar, mantê-lo em campo até o apito final, assim as vaias – se viessem – não teriam apenas um jogador como alvo, Zago sacou Robert que, como todos devem ter visto, foi massacrado pela torcida. Essa a ‘boleirada’ anotou na caderneta, podem ter certeza.

Até breve Palestra

No penúltimo jogo em nossa casa, São Pedro que não deve ter simpatia alguma com a nossa torcida, mandou mais uma vez um temporal, que não nos abandou durante o jogo todo. Mas, aqueles que lá estavam já se acostumaram com isso. Espero que na nova casa estes que até hoje tomaram muita chuva, muito sol, passaram frio etc. não sejam barrados.

Ingresso

Foi estranho, mas pela primeira vez – em se tratando de Palmeiras é espantoso – algo pensado para a torcida, mesmo que para parte dela, funcionou. Trata-se dos ingressos, aqueles reservados para os sócios, com preço reduzido, compra antecipada, pelaq internet (isso ainda não saiu do papel) e entrada diferente, do qual já escrevi aqui. Entrada calma, sem tumulto, bilhete passando pela catraca sem problemas. Como já disse, de se estranhar. Pena que não poderemos desfrutar disso em nossa casa durante o ano, pois como já disse, o Palestra será fechado no próximo dia 22. Daí é interior, Barueri, Pacaembu…

Torcida

Nossa torcida está impaciente, eu incluso. Estamos tão carentes de um time, de bons jogadores, de ídolos de verdade, de títulos, que não suportamos mais os recorrentes erros cometidos por esse time. Erro que se acumulam e são de todos: diretoria, técnico e jogadores. Entretanto, pela fragilidade desse grupo como time, por não termos nossa casa para nos impormos e por todas as nossas limitações, creio que seja a hora de haver um pacto entre time e torcida. Precisamos nos fazer presentes; precisamos apoiar incondicionalmente o time. Não digo apoiar jogadores, grupo de jogadores, mas o Palmeiras, pois senão temo pelo pior. As vaias e os xingamentos precisam cessar, imediatamente, senão a série B será nosso destino. Não que somos os culpados, como alguns insistem em dizer, pelo mau futebol apresentado pelo time, mas sinto um grupo inseguro, que ao primeiro apupo vindo da torcida se desespera, se perde e não rende. Não sei como fazer isso, só sei que de minha parte não haverá – até o final do ano – mais nenhuma vaia. Por aqui as críticas continuarão, mas no estádio só apoio.

E que venham os reforços, urgente.

Forza Palestra!

Intuição

01/05/2010

“Pode ir armando o coreto e preparando aquele feijão preto eu tô voltando…”

Pelo que aindei ouvindo, não é informação, só intuição, por isso não me cobrem…  à la twitter:

# VALDÍVIA vem aí!

Que os Deuses do futebol nos ajudem a ter esse presente!

FORZA PALESTRA!

Brasileirão 2010 – Tabela

09/03/2010

Sub-título: Mais uma vez desrespeitam a torcida do Palmeiras.

Se pudermos considerar como uma “tabela” a que nos foi apresentada pela CBF, pois somente o primeiro turno nos mostra também o horário dos jogos (coisa singela em se tratando de uma “tabela” de campeonato!), ela já está disponível aqui para quem quiser se programar. Se isso for possível o faça.

Chama a atenção novamente o respeito com que os torcedores do Palmeiras são tratados. Sabem aquele horário clássico do futebol: domingo, 16h00? Pois bem, o Palmeiras como mandante, no primeiro turno, jogará apenas duas vezes nesse horário. Na 12ª rodada contra o Corinthians; e na 19ª rodada com o Cruzeiro.

No mais, como mandante, ainda teremos no primeiro turno: a) 4 jogos aos sábados as 18h30; b) 3 jogos as quintas no horário das 21h00; e, c) um jogo em uma quarta-feira as 21h50.

Isso se nada for mudado, se a Rede Câncer, a CBF, com a anuência da “moderna” diretoria Palestrina não nos aprontarem alguma surpresa, pois na tabela não consta o local do jogo contra o Corinthians, que tanto pode ser no Palestra como em qualquer cidade do mundo, quiçá qualquer planeta do universo; ou mesmo em Prudente – no Mato Grosso do Sul, como diz o Barneschi.

Pobre torcida Palmeirense!

Pobre futebol brasileiro!