Posts Tagged ‘Paulistão’

Republicando: Não vivo de vitórias, vivo o Palmeiras

19/11/2012

Um dia publiquei isso. Resume bem o que penso sobre ser Palmeirense para mim…

Me perguntaram porque irei ao jogo hoje. Acho que isso responde a pergunta…

Me reconheço como Palmeirense desde sempre, mas foi com aproximadamente 10 anos de idade que comecei a viver a Palestrinidade em sua plenitude. Como tenho 45 anos, descontados os dez primeiros de minha vida, então, são 35 anos acompanhando diuturnamente o Palmeiras.

Considerando que nasci em 1966 tinha 10 anos exatamente no último título antes da fila: 1976. Depois disso, somente fui ver o Palmeiras ganhar algo em 1993, ou seja, dezesseis anos depois; tinha eu 27 anos de idade.

Arquibancada, apenas a partir dos 23 anos de idade, quando vim morar em São Paulo, antes uma ou duas vezes por ano, em Bauru, Araraquara ou Jaú. Depois dessa fase afortunadamente o Palmeiras passa por um ciclo virtuoso: 94 (28 anos), 96 (30 anos), 98 (32 anos), 2000 (34 anos).

Em 2002 o desastre e a volta em 2003, em 2008 o último título importante.

Como percebem, em quarenta e cinco anos de vida, somente vi uma fase de glórias do Palmeiras, a da década de 90, entre os meus 25 a 35 anos, digamos. São apenas 10 anos de vitórias tendo muito boa vontade.

O que quero dizer é que não vivo de vitórias, vivo o Palmeiras. Claro que gosto de ser campeão; afinal, esse é o objetivo do jogo.

Aos que me perguntam por que estarei no estádio hoje, aí está a resposta…

Torço para um time, uma camisa, não apenas por vitórias, por times vitoriosos.

Força Palestra!!!

Anúncios

IMPEACHMENTE JÁ!!!

14/05/2011

Acordo no sábado, pensando em ver boas notícias – contratações – sobre o Palmeiras e me deparo com uma entrevista de nosso presidente (Arnaldo Tirone) onde ele expõe as entranhas do clube (chama de máfia), critica jogadores (ídolos da torcida), o atual técnico do time (o chama de descontrolado) e dá munição para a imprensa, como se ela precisasse disso, continuar a nos atormentar.

Os jogadores citados e o técnico da equipe, tem todo direito – eu faria isso – de hoje mesmo pedirem para sair, e o único culpado será o destemperado e despreparado presidente do Palmeiras.

Vou ser curto e grosso: Tirone se mostrou incapaz de ser presidente do Palmeiras, pois na entrevista desvaloriza jogadores que são patrimônio do clube (dinheiro). Com isso, o Conselho deliberativo tem por obrigação cassar o seu mandato, isso mesmo, impedi-lo de continuar a ser presidente.

Ou seja… IMPEACHMENT JÁ!!!!

Quem acha que eu estou exagerando dê uma lida na entrevista:

Tirone joga gasolina na fogueira…

Pobre torcedor Palmeirense….

O Palmeiras acima de tudo!

11/05/2011

Texto publicado originalmente no Forza Palestra, do Barneschi.

O Palmeiras acima de tudo!

Posso ser acusado de muitas coisas, menos de não emitir e defender as minhas opiniões. Este blog é radical o tanto quanto é possível ser, e continuará assim. Agradeço a cada um de vocês, leitores tão devotados e participativos, pela audiência qualificada de sempre e pela paciência de alguns momentos. Preciso agora fazer algumas ponderações, considerando um pouco do que eu já iria escrever naturalmente e outro tanto de questões que foram colocadas no post anterior. Vamos lá:

Eu sou Mancha. Não é de agora. Sou sócio desde moleque, entendo que a Mancha (e todas as outras organizadas) são essenciais para o futebol resistir e vou defender a entidade até onde for possível. Contra tudo e contra todos. Menos contra o Palmeiras. Porque o Palmeiras está acima de tudo!

Já foram muitos os manifestos publicados pela MV e mesmo os protestos (violentos ou não) com os quais eu não concordei de uma forma ou de outra. Há pensamentos divergentes, mas o respeito sempre prevaleceu. E, de certo modo, posso afirmar que me senti representado em quase todas as situações, do enterro simbólico da diretoria em 2001 até a agressão contra o Madureira, para ficarmos em alguns exemplos.

Não é o caso agora.

Eu me permito simplesmente ignorar a primeira carta publicada no site oficial, uma vez que ela foi escrita em primeira pessoa e, portanto, não pode ser compreendida como o posicionamento oficial de uma entidade que representa tanta gente. Simplesmente não pode, e eu não vou entrar no mérito de tudo o que foi escrito ali; é a posição de alguém que divide comigo a mesma arquibancada e com quem já devo ter conversado algumas vezes, e vale tanto quanto a minha. Discordo veementemente de quase tudo o que está ali, respeito o direito à opinião alheia, mas não reconheço aquela como sendo a palavra oficial da entidade Mancha Verde.

Chegamos então à campanha “Público Zero”. Eu não aceito isso! Lugar de torcedor é na arquibancada e é para lá que eu vou. Respeito o direito de quem não vai, mas eu farei a minha parte na arquibancada (já foi assim no Couto Pereira, e será assim também no Pacaembu). Não me importa o fato de o time já estar eliminado. Não me importa o horário absurdo, o frio, até a chuva que pode cair. Não importa. A camisa do Palmeiras vai a campo, e eu vou junto.

À cancha municipal!

O barato sempre sai caro

21/02/2011

“Nós precisamos de um camisa 9. Eu já falei isso mil vezes, se quiserem me ouvir, muito bem. Se não quiserem, tudo bem também. Mas só o Kleber lá na frente não dá. Economizar dinheiro desse jeito não vai adiantar nada, vai acabar saindo mais caro. O time está jogando bem, mas ainda falta isso”.

A frase acima é do Felipão ao final de um empate em que criamos seis ou sete chances de gol, duas ou três claras, e não saimos do empate (zero a zero) com o ‘poderoso’ Mogi-Mirim.

Cabe agora ao presidente do Palmeiras entender o recado e buscar o nove, o centroavante, o goleador, o homem de área. Ou seja, atender ao pedido de nosso técnico.

Todos sabem que a situação financeira do Palmeiras não é boa, mas com a economia que vem sendo feita, ao nos ‘livrarmos’ de alguns jogadores que não estão nos planos, creio que podemos buscar algum centroavante de área para que as chances de gol que perdemos ontem não continuem a ser desperdiçadas.

E Felipão, do alto de sua sabedoria tem toda razão, pois no futebol a economia não é boa conselheira. Ou como no dito popular: ‘o barato sai caro’. Em nosso caso, o ‘bom e barato’ já nos levou ao fundo do poço.

Ainda é tempo Tirone. Às compra!

Em tempo: O que é Rivaldo? O que é Márcio Araújo?

Raiva dessa porra de Corinthians!

04/02/2011

Bem, minhas férias acabaram. Então, voltamos com a programação normal do blogue.

Nada melhor que passar o início do ano, época de eleições, turbulências e especulações, com relação ao Palmeiras, afastado disso tudo. Melhor ainda é na volta me deparar com nosso time liderando o certame Paulista.

Não me iludo com isso, liderança e até títulos são efêmeros, o que importa para os verdadeiros torcedores, aqueles que como eu freqüentam as arquibancadas, são times que se entregam, são jogadores que entendam a grandeza de nosso time e de nossa torcida, são aqueles que entendem que o Palmeiras é história. Aparentemente esse elenco, mesmo com alguns remanescentes dos fiascos de 2009 (perda do brasileiro) e 2010 (eliminação da Sulamericana pelo ‘gigante’ Goiás), nesse início de ano entendeu isso e está correspondendo.

Esta semana foi especial. Na quarta-feira assumimos a liderança do Paulistão e vimos o maior rival fracassar, mais uma vez, e de forma vexatória, em mais uma tentativa de conquistar a América, coisa que com Felipão – no final da década de 90 – já conseguimos, inclusive, passando por cima deles, os tirando de nosso caminho.

Pois bem, como “não há mal que sempre dure, nem bem que nunca se acabe”, o destino nos colocará frente a frente com eles, no momento de mais uma de suas crises, no próximo domingo. Lá, no campo de jogo, no próprio da municipalidade, teremos a chance de completarmos o serviço e os empurrar mais ainda para o buraco e aprofundar essa crise.

Não é hora de gracinhas, a hora é de empurrar o Palmeiras para cima deles e arrancar os três pontos, nem que seja a fórceps, e deixá-los por um tempo tentando se levantar, buscando se reerguer. Empurrá-los ainda mais para o fundo do poço é nossa obrigação.

Para o domingo temos que seguir a orientação do amigo Pessini: “Sem festa nem algazarra, que apenas se cumpra a obrigação!”. Ou, relembrarmos a lição de Felipão: raiva dessa porra de Corinthians!

Então, no domingo, todos ao Pacaembu, e pra cima deles Palmeiras!

Reflexão!

25/11/2010

Nesse momento o mais sensato a fazer é se recolher, lamber as feridas e buscar – racionalmente – os porquês. Escrever algo nesse momento seria somente para apontar culpados, achincalhar…

O que aconteceu ontem não foi uma derrota isolada. A derrota de ontem não foi só de ontem, pois os fracassos – e vexames – vêm se acumulando…

Dessa forma, prefiro alguns dias de reflexão para tentar entender à luz da história desses fracassos e vexames, quem sabe, as explicações para isso tudo.

Quando sarar, quando eu tiver alguma pista sobre os porquês, prometo que volto e compartilho com os amigos.

Não há mal que pra sempre dure!

 

Força Torcida que Canta e Vibra!

Relembremos 38, relembremos 42!

18/09/2010

Amanhã teremos um jogo no Pacaembu. Um jogo não, uma guerra; e como todas as guerras o objetivo é ‘extirpar’ o inimigo. Antes que achem que estou pregando a violência física, como recentemente fizeram com o presidente Lula quando esse disse que queria ‘extirpar’ o DemO da política nacional, esclareço que temos que eliminar o inimigo no campo de jogo, para quem sabe, lhes arrancarmos a cabeça, feito cobra, e ele não nos importune – como sempre faz – em um futuro próximo. Essa figura de linguagem, ‘arrancar a cabeça’ dos bambis é de meu amigo Barneschi, que recentemente escreveu isso sobre a soberba Leonor.

Não podemos nos esquecer que quando tivemos a oportunidade de nos vermos livres do time dos Barões do café – sim, dos Barões do café! – nossos antepassados se enganaram e estenderam a mão, aliás, as mãos, e salvaram essa gente da falência [leia sobre isso aqui]. Tivemos a chance de arrancar a cabeça da cobra, não o fizemos; e não é que quatro anos depois, em 1942, tentaram eles nos arrancar a cabeça, tentaram eles nos aniquilar, nos extirpar do cenário futebolístico, e porque não dizer – sobre a época – nos aniquilar como uma comunidade. Plantaram inverdades, usaram de seu poder e de sua influência para nos roubar, nos caluniar, nos extirpar do convívio social.

É por isso, que o meu amigo Raphaello, do Cruz de Savóia, sempre que possível nos lembra dessa e de outras histórias – não estórias – para que não esqueçamos quem é nosso inimigo, e do ódio que temos que sentir dessa instituição [leia aqui].

Por isso, amanhã quando estivermos no Pacaembu enfrentando nosso maior inimigo – não confundam com nosso maior rival – teremos que empurrar e lembrar aos guerreiros que vestem esse manto que essa gente tem que ter, como cobra, a cabeça arrancada (na bola), senão eles voltam e não terão piedade em fazê-lo conosco, pois para eles somos apenas um clube de ‘italianinhos’, aqueles que aqui vieram para servi-los, respeitá-los e obedecê-los. Onde já se viu, para essa gente, que freqüentemos os mesmos espaços que eles.

Por isso, amanhã quando estivermos no Pacaembu relembremos 38, quando tivemos a chance de extirpá-los e não o fizemos, e de 42* – quando eles, tal qual a cobra mal matada e sem um pingo de dignidade e agradecimento, muito pelo contrário, tentaram acabar com ‘essa gente desqualificada’ que insiste em se comparar, mesmo que esportivamente, a ‘homens de bem’!

Amanhã não é um jogo, amanhã no Pacaembu, no campo e nas arquibancadas, é guerra!

Forza Palestra!

______________________

* A assessoria de imprensa do Palmeiras informa que, em lembrança à Arrancada Heróica – 1942, justamente ao que me refiro quando digo que quiseram nos aniquilar como esportistas e como gente, nossa esquadra entrará em campo com o mesmo uniforme (fardamento) daquela tarde. Uma bela iniciativa, e que nos lembremos e rendamos nossa homenagens a aqueles que lá  estveram (os jogadores, os torcedores e o Capitão Alberto Mendes). [leia aqui a história sobre essa batalha épica] e [aqui a nota da assessoria do Palmeiras].

Convocando os Palestrinos para…

18/08/2010

Copa Sulamericana

Na quinta-feira (19/08) nosso glorioso Palmeiras tem mais uma batalha épica a travar contra tudo e contra todos. Jogaremos nossa sobrevivência na Copa Sulamericana e nossa torcida – mesmo com o placar adverso, em horário pornográfico (21h50), com frio, quiçá chuva – tem que fazer sua parte. Temos que nos fazer presentes, incentivar, empurrar o time e arrancar, mesmo que a fórceps, nossa classificação.

O adversário é um daqueles times que aparecem de tempos em tempos em nossa vida, querem fazer seu nome às custas da história gloriosa do Palmeiras, são invariavelmente despachados para o seu devido lugar, para no ano seguinte disputar um campeonato menor no cenário nacional (vide As Putinhas do Nordeste ano passado), mas precisamos fazer valer nossa força de nossa camisa e de nossa torcida, para isso é importante a nossa presença. Vale lembrar que o Pacaembu, que ainda não caiu no gosto de parte de nossa torcida, é um palco onde conquistamos muitas vitórias e inúmeros títulos; além disso, com a reforma de nosso glorioso estádio é lá que por dois anos mandaremos nossas principais partidas. Sendo assim, não há desculpa para não lotarmos o Pacaembu na quinta-feira.

Até nosso treinador, aquele que tanto queríamos comandando nossa esquadra, já fez o seu apelo. Então, vamos ou não responder ao chamado?

Jogo das Barricas – 3ª. Edição

Para economizar tempo, vai o link da chamada e as instruções para os Palestrinos que querem reparar o erro histórico de termos um dia ajudado, através de esmola, a sobrevivência de uma nefasta instituição.

III Jogo das Barricas

A reparação histórica

2010

Além disso, enfrentaremos nossos maiores rivais em uma partida de futebol, teremos churrasco, cerveja, poker; e é valendo taça.

Tsunami Verde

Eis o link da página do Tsunami Verde/2010, evento que ocorre já há alguns anos que serve para celebrarmos nossa Palestrinidade. Participem, e no dia 26 vamos colorir o mundo de verde e branco. Parabéns Palmeiras.

Página odicial do Tsunami Verde/2010

Festa de Aniversário não-oficial do Palmeiras

Tomo a liberdade de reproduzir o e-mail do amigo e Palestrino de primeiro time, Felipe Giocondo, um dos organizadores da Festa de Aniversário não-oficial do Palmeiras, que é o ponto alto das comemorações do aniversário de nosso glorioso Palestra, dando as coordenadas e convidando a nós, os torcedores – maiores responsáveis por manter a mística Palestrina viva, para comemorarmos mais o aniversário de nosso amado Palmeiras. Vai ter música, comida, bebida, transmissão do jogo do Palmeiras… Enfim, lá estaremos para comemorar a data, contar histórias das arquibancadas e, quem sabe, nos encontrarmos com algum ídolo do passado. Eis o e-mail do Giocondo:

Amigos,

Assim como fizemos no ano passado, estamos organizando a Festa de Aniversário não-oficial do Palmeiras. Os que tiveram a oportunidade de estar presente em 2009, no ‘Bar Boleiros’, se lembram que foi um evento carregado de muita Palestrinidade, música e boas vibrações.

A idéia deste ano é similar, mas em uma escala maior. Além da tradicional roda de samba (a confirmar o grupo), teremos a transmissão do jogo do Palmeiras no telão (Palmeiras X Galo, em MG), em um lugar mais amplo e, esperamos, com mais torcedores. Ano passado chegamos perto dos 200, este ano o local comporta 400 com conforto.

Estamos convidando ex-jogadores para participar novamente. No ano passado tivemos a presença de Cesar Maluco e do ex-goleiro Gilmar. Mas como as presenças nunca são 100% garantidas, optamos por não divulgar ainda. O importante é que todo Palmeirense se sinta a vontade, em um ambiente familiar e possa compartilhar com os amigos a emoção da data, e eventualmente reencontrar grandes ídolos.

Feita as devidas apresentações do evento, fica aqui o convite para que compareçam e divulguem aos amigos também. Pedimos apenas que confirme a ida no e-mail palmeiras96anos@yahoo.com.br. Queremos ter algum controle sobre o número de convidados previstos.

A festa será dia 29/08, com entrada a R$ 15. Aos que quiserem e puderem divulgar em seus blogs/sites, fica desde já o agradecimento pela colaboração. Como é um evento não-comercial, dependemos do boca a boca para divulgação. A ‘Ponto Verde’ está nos apoiando, assim como no ano passado com sorteio de produtos do Palmeiras etc, e qualquer outro auxilio para engrandecer a festa é muito bem vindo.

Confiram no link o vídeo do ano passado: http://www.youtube.com/watch?v=k3jyDo00ASc

Obrigado a todos e contamos com sua presença. A organização é de um grupo de amigos sócios do clube.

Convite

Clique na imagem para vê-la em tamanho original

Bem, vamos fazer a nossa parte. Seja para levarmos o Palmeiras à próxima fase da Copa Sulamericana; bem como, para mostrarmos ao mundo o nosso amor pelo Palmeiras.

Estão todos convocados.

Forza Palestra!!!


Impressões sobre o Derby

03/08/2010

Ontem, por conta de uma ‘baleiada’ de meu modem, fiquei o dia todo sem internet, o que somente foi resolvido durante a noite, por volta das 22h00. Por isso, não pude passar as minhas impressões, o que faço agora, sobre o Derby.

Derby é guerra

Só o fato de recebermos o maior clássico do planeta na capital, de onde nunca deveria ter saído, já seria motivo mais que suficiente para o Derby ter recebido um público maior do que recebeu. Porém como a ganância dos organizadores, dos ‘iluminados’ dirigentes e marqueteiros é gigantesca, resolveram cobrar R$ 40,00 por uma arquibancada em um final de mês (ok, início de mês), onde a maioria dos trabalhadores (sim, torcedor trabalha, tem família e vive de salário!) ainda não havia percebido seus míseros proventos, isso fez com que o público não tomasse todas as dependências do próprio da municipalidade. Mas, mesmo assim, 25.139 torcedores se fizeram presentes e viram um jogo que honrou as tradições de um Palmeiras X Corinthians.

Se o jogo não foi um primor técnico – e quem quer saber de técnica em um Derby? – foi cheio de alternativas, lances de perigo para ambos os lados, alguns mais ríspidos (como tem que ser em um Derby) – só não sei como alguém não quebra a perna daquele anão gambá que insiste em ser desleal e ainda por cima vive marcando contra a gente -, erros da arbitragem (sempre contra a gente) e, no final, um 1 x 1 que não foi bom para nenhuma das equipes.

O empate em 1 x 1 acabou por dar visibilidade novamente a uma figura nefasta ao Palmeiras: o péssimo ‘apitador’ (soprador de latinha, o vagabundo, safado, salafrário, sem-vergonha, vendido) Paulo César de Oliveira. E não foi por falta de aviso, pois esse ‘pederasta’ é useiro e vezeiro em nos prejudicar, basta para isso uma breve passagens pelos blogues Palestrinos na semana do clássico para vermos o quanto ele ‘apita’ sempre contra o Palestra. Mas, nossos ‘iluminados’ dirigentes são desportistas, e acham que as coisas somente se resolvem dentro de campo; enquanto isso, seguimos fazendo dossiês e mostrando como somos prejudicados pela arbitragem para, quem sabe um dia, alguém que dirija nossa equipe nos bastidores tome alguma atitude e vete, como fazem os outros, aqueles que nos prejudicam.

A torcida Palestrina foi um espetáculo à parte. Saí em caravana juntamente com a torcida Alviverde da frente do Palestra. Já ali, mostramos que não há estatuto, marqueteiros, dirigentes, promotor e políticos procurando promoção, que nos façam desistir de nossa paixão pelo futebol e pelo Palmeiras. Aproximadamente 10.000 torcedores seguiram juntos entoando seus gritos de guerra (sim, gritos de guerra!) por todo o percurso até o Pacaembu. O que não se deixou de fazer durante todo o jogo e após o seu final. As ofensas, de ambas as partes, que querem criminalizar com esse maldito estatuto, seguiu pelas ruas da capital, mostrando que o espírito do Derby é o de uma verdadeira guerra! Que nem por isso, teve baixas.

Quem fica inventando estatuto(s) para ‘pacificar’ torcedores e transformá-los em consumidores não perde por esperar, pois domingo mostramos que podem tentar nos afastar dos estádios, mas resistimos – e seguiremos resistindo, mesmo que não queiram mais nossa presença nos estádios.

Palmeiras

É nítido que Felipão, mesmo sem ainda contar com os reforços que solicitou, já vai dando uma cara de time a esse elenco. Poderíamos ter vencido, como poderíamos também ter perdido, mas o importante a destacar são dois aspectos: a) mesmo saindo atrás no placar o time não se desesperou como fazia até há pouco tempo; e, b) o time lutou e correu atrás da vitória, sem temer o adversário, até o final do jogo. Quando eu disse que não precisávamos de um técnico, mas sim de Felipão (que é mais que isso), era disso que eu falava. Que venham os reforços que ainda dá para alcançarmos os líderes.

Forza Palestra!

Parabéns Torcida que Canta e Vibra!

Presidente, faz um 21

16/06/2010
Valdivia diz que só falta uma ligação do Palmeiras

Poxa presidente, tá baratinho. Liga e traga o nosso Mago de volta.

Eis aqui uma amostra de uma época que éramos felizes, sabíamos, mas nos foi subtraída: